Notícias
Destaques
Artigos
Banco de imagens
Parceiros
Guia de Marcas
Newsletter
Quem somos
Contactos

PUB
MercadoL.Branca/PAEMultimédiaExclusivos
PUB
PUB
2016-05-03

O índice de satisfação dos consumidores face ao retalho é de 40%, segundo o estudo “2016 Global Customer Experience Index” da IBM, que avaliou 550 retalhistas em 23 países. O índice avaliou a satisfação dos consumidores nas áreas da consistência, conteúdo, contexto e conveniência. A consistência teve a pontuação mais elevada, com 49% de satisfação.

Geralmente,os retalhistas são mais eficientes em proporcionar visibilidade da disponibilidade do produto online do que em loja. 52% dos retalhistas fazem-no online em três ou mais canais e apenas 38% fazem-no em loja em três ou mais canais.

No que diz respeito à conveniência, a satisfação dos clientes é de 32%. 55% dos retalhistas oferecem o “click and collect”, ou seja, compra online e recolha na loja física, mas demora mais de 48 horas até todo o processo estar concluído. Apenas 27% dos retalhistas proporcionaram uma experiência “boa” ou “muito boa”.

Leia o artigo completo aqui

2016-05-03

No prognóstico da GfK do volume de negócios para 2016, a solidificação do mercado do retalho que se iniciou o ano passado irá continuar este ano. Para os países da UE-28, as previsões da GfK indicam um ligeiro abrandamento, com um crescimento de 1,1% (com base nos valores nominais, em euros). Haverá progressos especialmente positivos na Roménia (7,2%), bem como um aumento continuado nos Estados Bálticos (3,8% para 4,9%), que se aproximam gradualmente dos mercados mais maduros. Espera-se, ainda, boas dinâmicas nos retalhistas na Suécia (4,8%) e Espanha (3,7%). Em Portugal espera-se um volume de negócios de retalho estável (-0,3%).

Estes são os dados do estudo da GfK que analisa o poder de compra, o segmento do retalho no total das despesas da população, a inflação, a provisão da área de vendas, bem como um prognóstico do volume de negócios para 2016, em 33 países da Europa. Leia o estudo completo aqui.

2016-05-03

Durante o ano passado, a produtividade da área de vendas na UE-28 aumentou 2,7%, para pouco menos de 4.200 euros por metro quadrado. Esta é uma boa notícia para o mercado do retalho estacionário, que consegue, desta forma, alcançar ganhos para os próximos dois anos, após vários anos com uma fraca performance. A dinâmica online desacelerou nos mercados mais maduros e as lojas de retalho adaptaram-se gradualmente às novas condições, sendo que os retalhistas procuram soluções omnicanal.

Os valores de produtividade mais elevados da área de vendas são, tradicionalmente, registados no norte europeu, Suíça e Luxemburgo; por sua vez os valores mais baixos estão na Europa Oriental e do Sudeste. Contudo, verifica-se que os últimos países, acima referidos, estão continuamente a ganhar terreno. No caso de Portugal, em 2015, a produtividade da área de vendas foi de 3.880 euros por metro quadrado.

Estes são os dados do estudo da GfK que analisa o poder de compra, o segmento do retalho no total das despesas da população, a inflação, a provisão da área de vendas, bem como um prognóstico do volume de negócios para 2016, em 33 países da Europa. Leia o estudo completo aqui.

2016-05-03

Os preços pagos pelo consumidor mantiveram-se constantes em 2015. Esta é uma situação rara para a indústria e para o mercado retalhista, bem como para os consumidores.

Em fevereiro, a Comissão Europeia previu um aumento nos preços para 2016, de 0,5%, impulsionado pelas políticas do banco central e pela recuperação económica. Mas as expectativas de inflação foram amortecidas pelos baixos preços das matérias-primas.

Na verdade, em 2015, a deflação de preços ocorreu em muitos países europeus. Para 2016, a Comissão Europeia prevê a diminuição dos preços de consumo apenas na Eslovénia (-0,3%), Roménia (-0,2%), na Lituânia (-0,1%) e na Bulgária (-0,1%). Já em Portugal, a inflação foi de 0,7%.

No mercado nacional, o poder de compra dos portugueses cresceu lentamente (2,3%) face à média da UE-28, com o valor per capita a atingir os 6.437 euros, devido à diminuição da taxa de desemprego, segundo o estudo da GfK. O segmento do retalho representa 33,4% no consumo privado dos portugueses. O estudo da GfK analisa o poder de compra, o segmento do retalho no total das despesas da população, a inflação, a provisão da área de vendas, bem como um prognóstico do volume de negócios para 2016, em 33 países da Europa.

Leia o artigo completo aqui.

2016-05-03

Até 15 de maio, no contexto do Dia da Mãe, a Unilever Jerónimo Martins - CIF tem a decorrer um passatempo, na página de Facebook da CIF, em parceria com a Candy.

Os participantes têm que publicar uma fotografia da mãe com os filhos na sua cozinha, numa situação em que mostrem uma embalagem de qualquer produto da CIF. De entre as dez fotos mais votadas será escolhida a vencedora pelos responsáveis da Unilever Jerónimo Martins - CIF. O prémio será um forno Candy.

PUB
Capa da Revista



Mercado

L.Branca/PAE

Multimédia

Exclusivos