Notícias
Destaques
Artigos
Banco de imagens
Parceiros
Guia de Marcas
Newsletter
Quem somos
Contactos

PUB

Aumento de insolvências em mais de 77% dos distritos
2018-09-06

Em Agosto registou-se um aumento das insolvências, com 188 empresas insolventes, mais 29 que no período homólogo de 2017 (acréscimo de 18,2%). O valor acumulado apresenta-se igualmente superior a 2017, com mais 295 insolvências. Até final de agosto registaram-se 4.235 insolvências que traduzem um aumento de 7,5% face a 2017.

Analisando os resultados por tipos de ação, até final de agosto, o total de declarações de insolvências requeridas (DIR) diminuiu 1,7% em relação a 2017, enquanto as apresentações à insolvência pelas próprias empresas (DIA) registaram um aumento de 2,1%. Os encerramentos com plano de insolvência (PI) diminuíram 33,8% face a 2017 e as ações de encerramento (DI – Declaração de Insolvência) aumentaram 16% face ao ano transato.

Lisboa e o Porto são os distritos com o maior número de insolvências, 1.143 (27% do total nacional) e 942 (22,2% do total) respetivamente. Em relação a 2017, Lisboa regista um aumento de 1,4% e o Porto de 20,5%. Cinco distritos apresentam decréscimos no acumulado até final de agosto: Madeira (-18,6%), Setúbal (-13,4%), Leiria (-12,8%), Évora (-12%) e, por último, Viseu (-11,3%). Estes distritos representam 15,4% do total de insolvências em 2018.

Os aumentos mais notórios nas insolvências verificam-se nos distritos de Angra do Heroísmo (133,3%), Beja (87,5%), Guarda (69,7%), Castelo Branco (65,1%), Vila Real (40,9%) e Faro (40,2%). No seu conjunto, estes seis distritos representam 9% do total de insolvências no país em 2018. Dos 22 distritos do país, até final de agosto, 17 deles (77,3%) registaram aumentos nas insolvências e são responsáveis por 84,4% do total de insolvências nos primeiros oito meses do ano.

A análise por setores indica que houve diminuição de insolvências apenas em duas áreas de atividade: Telecomunicações (-28,6%) e Transportes (-7,1%). Os setores com aumentos mais significativos são: Indústria Extrativa (140%), Eletricidade, Gás, Água (28,6%) e Agricultura, Caça e Pesca (28,3%).

PUB
Capa da Revista



Mercado

L.Branca/PAE

Multimédia

Exclusivos