Notícias
Destaques
Artigos
Banco de imagens
Parceiros
Guia de Marcas
Newsletter
Quem somos
Contactos

PUB

Medidas económicas COVID-19: lições da Europa
2020-05-11

Levou menos de seis meses para um vírus, anteriormente desconhecido, mudar o mundo. Enquanto especialistas médicos trabalham incansavelmente para entender e tratar o COVID-19, a pandemia obrigou governos de todo o mundo a intervir fortemente nas economias e mercados de trabalho. O grupo Adecco divulgou um estudo no qual analisa as respostas de dez governos europeus para entender quais as que levam aos melhores resultados económicos.

Isso não é fácil porque a situação está a evoluir, com diferentes regiões em diferentes estágios da pandemia a enfrentar níveis variados de exposição. À medida que a China e a Ásia estão a ressurgir, na Europa, países como Áustria e Suíça foram os primeiros a reduzir os seus bloqueios, enquanto Itália e Espanha estão a ser mais cautelosos, assim como Portugal, aliás.

No entanto, a análise macroeconómica de dez países europeus, diz a empresa especialista de Recursos Humanos, dá uma ideia de quais as medidas bem-sucedidas e não tão bem-sucedidas. Analisamos o PIB, o desemprego, os níveis das bolsas, o sentimento económico e as intenções de compra para estimar a escala do custo económico do COVID-19. Os resultados, embora ainda alusivos à situação de meados de abril de 2020, são informativos.

As medidas de estímulo são fundamentais

Analisamos o vínculo entre o impacto do vírus e o número de medidas políticas e o seu impacto económico - e não vimos nenhuma. Com frequência, quantidade e qualidade geralmente não andam de mãos dadas.

Além disso, o número de casos confirmados de COVID-19 num país não é o melhor determinante do impacto económico. A França, onde o foco era agressivo na redução do número de infeções, está a enfrentar um preço económico rígido, com a terceira maior queda no PIB e um aumento significativo do desemprego.

A Suíça, a Itália e a Espanha têm um número semelhante de casos por milhão de habitantes, mas a Suíça está numa posição muito melhor economicamente.

Um fator-chave parece ser o tamanho do pacote de estímulo económico do país como proporção do PIB. A Suíça está a gastar 6% do PIB no seu pacote de estímulos, em comparação com 2% na Itália e 0,7% na Espanha.

Assim como a Suíça, a Áustria e a Alemanha também têm grandes pacotes de estímulo - 8% e 6,9% do PIB, respetivamente - e também estão a enfrentar um impacto relativamente modesto. Todos esses três países têm diversas formas de trabalho de curta duração, o que provou ser uma medida bem-sucedida após a crise económica de 2008 e parece ser um componente decisivo de um pacote de estímulo eficaz atualmente.

«q«Proteger o mercado de trabalho e a economia: lições da Europa

A análise dos países com melhor desempenho leva a algumas recomendações sobre como os governos devem lidar com essa crise - e as futuras.

Primeiro a saúde e a segurança dos trabalhadores devem vir primeiro, mas isso não significa cessar toda a atividade económica. Encontrar maneiras seguras de manter alguma atividade económica suavizará o impacto. Segundo, da mesma maneira que uma reação rápida parece vital para minimizar o impacto do vírus, é necessária uma resposta económica rápida para apoiar o PIB. É provável que a Holanda tenha sofrido algum declínio económico simplesmente porque demorou muito para implementar os seus mecanismos de apoio.

Terceiro, é notável que os países que se saíram melhor tenham um modelo nacional de diálogo social baseado em negociações e não em confronto. Isso tem sido importante para facilitar uma resposta rápida à crise que se desenrola.

Além disso, apesar de não estar diretamente refletido nos nossos dados, os países com as previsões económicas mais positivas são todos com alta eficiência em disponibilizar apoio financeiro quase que instantaneamente para aqueles que precisam.

Finalmente, esta crise mostrou, novamente, que manter as pessoas a trabalhar e evitar despedimentos ajuda a mitigar choques endémicos. Investir em trabalho de curta duração ajuda a manter a economia pronta para um reinício rápido, atenua o impacto sobre os trabalhadores e, assim, protege a procura do consumidor.

As aprendizagens que vemos dizem respeito ao momento no tempo em que os países estavam com um mês de crise. A rápida ação foi fundamental para evitar um custo económico devastador como resultado da pandemia. No entanto, como os países agem é tão importante quanto saber quando o fazem. O tempo dirá que medidas foram as mais eficazes em termos de dimensão e natureza.

PUB
Banco de imagens



Mercado

L.Branca/PAE

Multimédia

Exclusivos