Notícias
Destaques
Artigos
Outros mercados
Banco de imagens
Banco de oportunidades
Guia de Marcas
Newsletter
Quem somos
Contactos

PUB

IKEA de Matosinhos abre ao público
2007-08-01

Poucos minutos antes das 10 horas da manhã, do dia 31 de Julho de 2007, Fernando Serrasqueiro, Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, Guilherme Pinto, presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Stefano Scarpa, director geral da IKEA Ibérica, António Machado, director de expansão da IKEA Portugal, e Ricardo Pinheiro, director da loja IKEA Matosinhos, procediam à cerimónia do corte do tronco.

Com esta tradição sueca, que substitui simbolicamente o corte da fita inaugural, a relembrar as origens da empresa, ficou oficialmente inaugurada a loja IKEA de Matosinhos. De seguida, as portas abriram-se e milhares de clientes apressaram-se para conhecer aquela que é a maior loja IKEA da Península Ibérica e a segunda em Portugal.

João Monteiro, de 23 anos, morador na Senhora da Hora, foi o primeiro a chegar. À porta da loja desde a manhã do dia 30, sem arredar pé, a sua resistência valeu-lhe a oferta de um vale para compras na loja IKEA de Matosinhos. É que as primeiras 100 pessoas a chegar à loja, trazendo um artigo de decoração antigo, foram presenteadas com um cartão-presente no valor de 100 euros. O mais original ganhou um vale de 300 euros.

Antes da inauguração, e da abertura ao público, a IKEA recebeu os seus convidados para um pequeno almoço onde não faltaram as iguarias suecas, outra tradição da empresa que assinala os dias importantes. Durante a refeição, foram proferidos os discursos inaugurais, começando pelo de Ricardo Pinheiro. Entre os agradecimentos à sua equipa e à da loja de Alfragide, pela ajuda no processo de abertura, o director da loja de Matosinhos manifestou o seu desejo de que, a partir das 10 horas, as pessoas de Matosinhos e do Norte de Portugal fizessem seu um espaço que foi criado para elas. “Todos os dias, trabalhamos na IKEA com o objectivo de criar o melhor dia a dia na vida das pessoas. O nosso conceito de design, funcionalidade, qualidade e preços acessíveis, materializado nas instruções ‘olhe, aponte e leve’, que estão na génese do processo de compra da IKEA, e que torna possível a relação que mantém com os seus clientes, adequa-se a Matosinhos e a toda a região Norte. E a prova disso é a quantidade de pessoas do Norte que têm visitado a loja de Alfragide e as de Espanha”.

Com uma área de influência que vai de Aveiro a Vigo, como caracterizou Guilherme Pinto, a loja de Matosinhos espera receber, durante o primeiro ano de actividade, cerca de dois milhões de visitantes vindos de todas as regiões de Portugal e da Galiza. De acordo com um estudo realizado pela IKEA no ano passado, 80 por cento dos inquiridos têm a intenção de visitar a IKEA de Matosinhos. O facto da marca ser reconhecida por 93 por cento das pessoas questionadas, assim como a impressão que o catálogo IKEA causou junto de 85 por cento das mesmas, revelam-se indicadores interessantes sobre a aceitação que a IKEA terá na região Norte de Portugal. “Foi há pouco mais de três anos, em Junho de 2004, que abriu a primeira loja IKEA em Portugal. Com a abertura da segunda loja, renovamos a satisfação pela aceitação do conceito. O dia de hoje marca mais um grande momento para a IKEA em Portugal com a abertura de uma loja que vem aproximar ainda mais a insígnia de todos os portugueses”, notava António Machado.

Após a abertura em Matosinhos, a IKEA tem prevista a abertura de mais cinco lojas no país até 2015. O plano de expansão representa um investimento de mais de 660 milhões de euros e a criação de mais cinco mil postos de trabalho, de que fazem parte ainda dois centros comerciais e três fábricas Swedood em Paços de Ferreira. “O plano de expansão da IKEA é acarinhado pelo Governo pelo papel que pode ter na fileira da árvore. Da biomassa ao papel, passando pelo mobiliário, entendemos que esta fileira é essencial para Portugal, um dos países da Europa com uma fileira da árvore mais desenvolvida e com potencial. A expansão da IKEA em Portugal dá também a imagem do país que queremos ser”, defendia Fernando Serrasqueiro.

PUB
Banco de imagens


Mercado

L.Branca/PAE

Multimédia

Exclusivos