Notícias
Destaques
Artigos
Banco de imagens
Parceiros
Guia de Marcas
Newsletter
Quem somos
Contactos

PUB

Estado da economia potencia venda de café em cápsulas em Espanha
2014-01-29

O sector das bebidas foi um dos mais afectados pela queda de 4% no consumo em Espanha, entre 2007 e 2012, perdendo 12% em valor naquele período. Não obstante, as bebidas quentes registaram um crescimento substancial, de aproximadamente 26%, beneficiando da transferência do consumo de café para dentro de casa. As cápsulas são as grandes responsáveis por este desempenho, aumentando 426 milhões de dólares naqueles cinco anos, segundo dados da consultora Euromonitor.

Apesar do seu posicionamento premium – note-se que o seu preço médio unitário é cinco vezes maior que o de café normal – as cápsulas agradam aos consumidores espanhóis porque lhes permitem ter em casa uma experiência de café que ainda é percepcionada como um luxo acessível.

Espanha tem uma das culturas de café mais vibrantes do mundo, com o terceiro maior número de cafés e bares, seguindo-se ao Brasil e ao Japão. O café está em cada esquina e esta bebida faz parte da vida quotidiana. Para além do café da manhã, normalmente servido com leite, os espanhóis fazem uma pausa para café a meio da manhã e a meio da tarde, o que faz com que este mercado tenha, historicamente, uma das maiores percentagens de vendas no canal Horeca.

Contudo, a crise económica tem sido nefasta para este sector, dado que os hábitos de austeridade adoptados pela maioria dos espanhóis limitam os gastos fora de casa. Desde 2007 que fecharam mais de 28 mil cafés e bares, com as vendas a caírem 11% entre aquele ano e 2012. Em 2013, a quota do canal Horeca nas vendas de café era de 37% comparativamente aos 47% de 2008.

Em contrapartida, as cápsulas representaram 87% do crescimento das vendas a retalho de café e 67% do aumento total do mercado de bebidas quentes em Espanha. Não obstante serem a categoria de café mais cara no retalho, as cápsulas ainda são mais baratas que tomar café fora de casa. Mas, mais do que o preço, é a qualidade que agrada aos espanhóis. Entre 2008 e 2013, o número de máquinas de café de cápsulas vendidas no país vizinho aumentou 91%. Estes equipamentos representaram mais de dois terços das vendas totais de máquinas de café no ano passado.

De acordo com as previsões da Euromonitor, Espanha deverá valer 19% do crescimento absoluto em valor no retalho de café na Europa Ocidental nos próximos cinco anos. As condições económicas continuarão a favorecer a transferência do consumo para dentro de casa e as vendas de cápsulas. Cenário semelhante é antecipado para o mercado português e para o italiano, onde a cultura do café é igualmente elevada.

Com a cortesia da Grande Consumo.

PUB
Capa da Revista



Mercado

L.Branca/PAE

Multimédia

Exclusivos